Príncipios básicos de segurança – indústria gráfica

Postado por: Administrador

Antes de iniciarmos qualquer procedimento em máquina, é necessário revisitar as questões relativas a segurança.

Relembrando que é FUNDAMENTAL em QUALQUER AÇÃO realizada no equipamento. Incluindo  a operação e os procedimentos de manutenção.
Alguns conceitos fundamentais:
Acidente: É um evento indesejável e inesperado que causa danos pessoais, materiais (danos ao patrimônio), danos financeiros e que ocorre de modo não intencional. São decorrentes de uma variedade de causas.
Atos inseguros: são procedimentos contrários as normas de prevenção de acidentes. Condições inseguras são circunstâncias que independem das pessoas, mas estão incompatíveis com a segurança.

1 . Principais causas de acidentes na indústria gráfica:
– Alimentação manual em máquinas semi-automáticas;
– Falta de proteção nas partes móveis de máquinas e equipamentos;
– Falhas de instalações e aterramento, causando choque elétrico;
– Armazenamento e manuseio inadequado de materiais inflamáveis;
– Falta de orientação e treinamento para utilização de máquinas, ferramentas manuais e equipamentos de proteção coletivas ou individuais;
– Falta de sinalização, com obstrução da saída de emergência, escadas e rotas de fugas, de alarmes e extintores de incêndios;
– Iluminação inadequada nos postos de trabalho.

2 . Principais riscos na indústria gráfica:

2.1 Físicos:

São considerados como agentes: o ruído, a vibração, a umidade, as radiações ionizantes e não ionizantes, e a temperatura extrema (frio e calor).
Vários estudos apontam o ruído como o principal agente de risco na Indústria Gráfica. Este ocorre principalmente nas etapas de impressão e pós-impressão, devido à utilização de máquinas rotativas e dobradeiras.

2.2 Química:

São considerados como agentes: poeiras, gases, vapores, neblinas e produtos químicos em geral. Estes agentes penetram no organismo do trabalhador pelas vias cutânea, digestiva e respiratória.
Na indústria gráfica, os produtos químicos utilizados são: fixadores, reveladores, reparadores, tintas e solventes orgânicos (diluentes de tintas e limpeza de equipamentos). Dependendo do produto químico utilizado, sua manipulação, a concentração no ambiente e o tempo de exposição do trabalhador, podem ocorrer sintomas como: Cefaléia, tontura, irritação ocular, problemas de pele pelo contato, episódios depressivos e outros relacionados ao sistema nervoso.

 

2.3 Biológicos:
Os agentes biológicos são: vírus, bactérias, fungos, protozoários e parasitas.
Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho), na indústria gráfica os trabalhadores estão expostos aos agentes biológicos em duas situações:
– Instalações antigas, que podem estar infestadas por roedores e insetos, entre outros;
– Contato com tintas utilizadas para impressão, as quais contêm, em sua formulação, componentes que funcionam como nutrientes para o crescimento de microorganismos.

2.4 Ergonômicos:
Referem-se à adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores e se relacionam diretamente à organização do trabalho, ao ambiente laboral e ao trabalhador.
Na indústria gráfica é difícil generalizar os problemas ergonômicos, pois cada empresa apresenta um aspecto diferente da outra.
Porém, parece que em empresas de menor porte a incidência de transporte manual de cargas elevadas,  trabalhos que exigem uma repetição contínua, assim como atividades que exigem um estado contínuo em pé, tem uma característica comum. Nas consideradas de maior porte, o ritmo de trabalho é intenso, jornadas de trabalho além das 8 h, normalmente para suprir a demanda sazonal de produção,  e adoção de expedientes noturnos.

Equipamentos recomendados para operação e/ou manutenção da impressora offset:

– Sapato de segurança apropriado;
– Jaleco e/ou uniforme adequado (sem mangas largas);
– Luvas para manuseio de materias químicos;
– Óculos de proteção (para materiais líquidos tóxicos e para raios ultravioleta)
– Ausência de anéis e correntes;
– Cabelos longos devem ser presos (preferencialmente com tocas apropriadas);
– Protetor auditivo (usado de modo adequadamente)

Referências:
Serviço Social da Indústria – SESI.
Diretoria de Assistência Médica e Odontológica – DAM.
Gerência de Segurança e Saúde no Trabalho – GSST.
Manual de segurança e saúde no trabalho. / Gerência de Segurança e Saúde no Trabalho. – São Paulo : SESI, 2006.
240 p.: il. color.; 28cm. – (Coleção Manuais ; Indústria Gráfica).